Gelatina para bebés

Que guloseima é esta? Ora é uma boa alternativa à frutinha como sobremesa, por exemplo.

Já há algum tempo que andava a pensar em sobremesas alternativas à fruta, fosse ela inteira ou em purés, mas que se mantivessem nutritivas. Não foi difícil excluir “milhentas” hipóteses recheadas de açúcar, até que cheguei à gelatina.

A primeira paragem foi mesmo a despensa onde tenho sempre uma gelatina para o que der e vier. Mas a tabela nutricional foi reveladora. Apesar de não ter tanto açúcar como a grande maioria das sobremesa, ele está lá. Daqui, a segunda paragem foi mesmo o supermercado. Vamos lá à caça de tabelas nutricionais sem açúcar ou com muito pouco… também não podemos ser extremistas e esperar milagres. Lembrem-se mães que, por mais saudável que um produto com fruta seja, nunca terá 0% de açúcares devido à frutose presente na própria fruta.

No meio da imensidão de produtos e ofertas, a primeira direcção (pareceu-me lógica) foi as gelatinas Light e 0% de açúcar. De facto muitas delas têm 0% de açúcar… mas contém aspartame. Já agora, o aspartame é um aditivo alimentar utilizado para substituir o açúcar comum e, para além de ser menos denso, tem maior poder para adoçar (cerca de 200 vezes mais doce que a sacarose). O aspartame também é encontrado sob o nome de edulcorante E 951. Não é, definitivamente, uma opção que tome em consideração. Pessoalmente prefiro o velhinho açúcar, mas isso já é escolha pessoal (tal como disse).

Andei a remoer e insistir no assunto mais uns quantos dias. Por vezes, sou mesmo de ideias fixas, verdade. Cheguei à conclusão que o melhor seria mesmo fazer em casa. Até parece que acabo sempre por bater na mesma tecla.

Na verdade não dá muito mais trabalho, nem ocupa muito mais tempo do que uma gelatina instantânea… já não vou comparar, como é óbvio, com as que vêm já feitas. Então como fiz? Simples, comprei gelatina neutra que contém 0.50g de açúcar versus os habituais cerca de 13g. Pode também optar pela saudável ágar-ágar. Depois espremi duas tangerinas deliciosas e docinhas (cerca de 100ml) e juntei a 2 folhas de gelatina dissolvidas em 150ml de água, mais 150ml de água fria (no total 300ml de água). A gelatina pode ficar mais ou menos “aguada”, depende do que pretendem. Sendo um citrino, eu preferi, desta vez, e sendo que o Francisco ainda só tem 15 meses, dissolver mais o sumo da tangerina.

Aproveitei ainda os boiões vazios da fruta para colocar as doses de gelatina, o que se torna prático também se quisermos levar para consumir fora de casa.

Espero que façam mais experiências do que eu e partilhem 🙂

Creme rico de espinafres

Se no início seguia receitas que via de sopas e papas, cedo comecei a alterar receitas e a inventar outras tantas. Não é defeito, é feitio. Sou incapaz de seguir uma receita à risca. Dava uma péssima pasteleira. 
Hoje temos creme rico de espinafres. Gostaram do nome? Achei que ficava pomposo. 

Regra geral faço as sopinhas consoante os frescos que tenho em casa disponíveis ou os mais biológicos que consigo encontrar na altura. 
O meu creme rico de espinafres leva 100g de batata (uma batata grande), 50g de cenoura, meia cebola pequena, 50g de espinafres (há lagartas que comem mais quantidade), 50g de lentilhas verdes, 250ml de água e um fio de azeite. 

Começou por cozer previamente as lentilhas enquanto preparo todos os outros ingredientes. Depois, junto todos os ingredientes, com excepção do azeite, no robot de cozinha e seleciono 11 minutos, a 100º no programa 3. Ao fim deste tempo junto o fio de azeite e cozo por mais 1 minuto. 

Delicioso!

Creme de coentros com batata doce

Desta vez a sopinha foi feita para toda a família e na panela. Não me perguntem porquê, mas para mim, creme de coentros faz-me lembrar o Alentejo e tem de ser feito na panela. É daquelas coisas que nem eu sei explicar porquê mas é como me faz sentido e sabe bem.

Já há algum tempo que não fazia creme de coentros e com um molhinho de coentros do frigorífico, nem vamos pensar duas vezes.

Como a ideia foi fazer este creme para toda a família, vamos lá esquecer pimenta e sal para temperar. E, desta vez, decidi inovar para poder utilizar as batatas doces que tinha na despensa. Normalmente utilizo batata normal. Devo dizer que não foi nada mal pensado porque o resultado final foi delicioso e mais cremoso que o costume.

Um molho generoso de coentros, 3 batatas doces granditas, 1 cebola, 3 dentes de alho e azeite qb. Estes são os ingredientes necessários.

A preparação também é super simples. Descasquem os alhos e a cebola e cortem em fatias grossas. Alourem ligeiramente no azeite, que deve cobrir quase por completo o fundo da panela. Depois juntem o molho de coentros, misturem com a cebola e o alho que ainda alouram e pouco depois juntem as batatas doces cortadas em fatias de, mais ou menos, 1 a 2 cm, para ser mais rápida a cozedura. Cubram tudo com água e tapem a panela. Deve levar cerca de 20 minutos até ficar pronta a cozedura. Por último passem a varinha mágica até ficar um creme homogéneo.

Para o vosso bebé a sopa está pronta a servir e deliciosa. Para os adultos, sugiro condimentar com sal refinado e pimenta a gosto, voltar a mexer e antes de servir salpicar com cebola frita ou croutons.

Espero que gostem desta sopinha. Cá em casa todos adoramos.