Noitadas e diretas

Quem diz que depois de sermos pais perdemos a capacidade de fazer noitadas e diretas está simplesmente a espalhar mais um mito urbano. É mentira. Completamente mentira.

A prova de tal difamação são as noites em branco passadas (contra vontade) porque o pequeno está com febre, tosse, nariz entupido e afins. No dia seguinte, chegamos ao trabalho praticamente frescas e fofas como se nada se tivesse passado. E, de certo modo, não se passou. Não passamos pela cama, não passamos pelo sono, muito pelo contrário, ele é que passou por nós à descarada. Nisto precisamos apenas de um (dois, três, quatro, cinco….) cafés de manhã e está óptimo. Ressacas 0 e nem é preciso guronsan ou semelhantes porque a cabeça não anda à roda… Os olhos, por vezes, também não abrem, mas isso são pormenores.

Quando o berço sai do quarto

Nem todas somos iguais mas, como já vos tenho dito, sou uma mãe coruja. O Francisco já dorme no seu quartito há algum tempo e, felizmente, a adaptação foi à velocidade da luz e sem qualquer problema. Ficou, no entanto, no nosso quarto a cama de viagem montada para alguma eventualidade durante a noite. Não seria de madrugada que iríamos montar todo o estaminé, não acham?

Até hoje não foi preciso recorrer ao plano B e por isso chegou a hora de desmontar todo o “estendal” e voltar a ter um quarto para dois. Sim… porque até agora, viver no meu quarto era como viver num hostal, com um companheiro desarrumado e que deixa tudo em todo o lado. Nada de mais, acordar com um brinquedo a enterrar-se nas nossas costas ou embrulhados numa fralda de pano tornou-se normal, por incrível que pareça. Tudo porque a criaturinha que volta e meia nos invade a cama deixa tudo pelo caminho como um rasto de migalhinhas.

Nisto tudo, é muito estranho. Muito estranho, repito, ver todo aquele espaço disponível. Parece que tenho um corredor de palácio desde a cama até ao roupeiro e contudo é vazio porque parece faltar alguma coisa. Mais uma adaptação que parece ser mais para a mãe do que para o pequenote.

Mulher, Mamã

pink ribbon.jpg

Neste dia em que se assinala o Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama, gostava de chamar a atenção para os benefícios da amamentação. Sabiam que amamentar ajuda a prevenir o aparecimento do cancro da mama?

Deixem-me tentar explicar de uma maneira muito simples e sem dar nó na cabeça.

Segundo diversos estudos realizados em todo o mundo (sobretudo nos EUA e Austrália), o desenvolvimento do cancro da mama (e dos ovários também) está relacionado com as constantes mudanças e acções hormonais que ocorrem no corpo da mulher ao longo da sua vida, como a ovulação que produz muito estrogénio. Durante o período da amamentação, estas mudanças hormonais são reduzidas drásticamente, e de forma natural, fazendo por isso decair o risco de contrair cancro da mama.
Continue a ler “Mulher, Mamã”

Caderneta de Bicharocos

nos

Não, não é a última colecção do Pingo Doce, do Lidl ou do Continente, é mesmo a última colecção que o Francisco decidiu fazer. Não estava ele contente com a sua constipação, que insiste em não ir embora, que ainda achou por bem trazer o bicharoco do Boca-Mãos-Pés para casa. Quis mesmo ter a colecção completa de bicharocos que andam por aí à solta com direito a cromos para trocas. E nisto, qual o resultado? Uns dias em casa, de quarentena, com meia farmácia para tomar ao longo do dia e enfermeira particular a tempo inteiro.

Esperemos que agora desapareça tão rápido como apareceu 😦

A incapacidade de tomar um longo banho

banho.jpg

Por razões alheias o meu pequenote hoje teve de ficar mais um pouco no colégio e confesso que desde que acordei de manhã que o pensamento imediato que me vem à cabeça é “assim que chegar a casa vou tomar um bom e looooongo banho, com toda calma do mundo”. E este pensamento acompanhou-me durante todo o dia, aquela expectativa. Chegou à hora e lá vim eu do trabalho para casa, debaixo de um calor infernal que só fez aumentar a minha vontade daquele banho quase de “barrela”. Sem demoras, assim que entrei em casa fui tratar de entrar para o duche. O que sucedeu depois? Simples. 5 minutos depois estava a fechar a torneira da água porque já tinha terminado o meu tão ansiado banho. Inevitável a conclusão: ganhei uma incapacidade de tomar um longo banho. Depois de todos estes meses a ter de tomar duches rápidos porque há sempre alguém ou qualquer coisa (como o robot de cozinha ou a máquina da roupa) a chamar por nós, damos por nós assim… neste estado. Espero, no entanto, que seja uma incapacidade reversível. Espero.

Um segredo guardado na folha da couve

couve.jpg

Pensavam que as couves eram só para a sopa e para a ceia de natal? Pois desenganem-se! A folhinha da couve pode ser uma grande amiga das recém-mamãs.

Para quando as mamas ficam demasiado cheias e começam a querer encaroçar (muitas vezes quando o leite sobe pela primeira vez), existem soluções bem simples e naturais. Antes de mais, convém dar leite frequentemente ao bebé para que ele ajude, da maneira mais natural, a mamã. Depois basta deixar secar um pouco de leite no mamilo e colocar a folha de couve por cima.

Continue a ler “Um segredo guardado na folha da couve”

Mamã, a fotografa oficial

babyboy

É muito mau quando o nosso telemóvel nos diz que já não podemos tirar mais fotografias, só porque esgotámos toda e qualquer capacidade de telemóvel e cartões dos arredores? Parece exagero, mas não é. Agora é porque se está a rir, agora porque está a fazer uma cara fofinha depois uma cara laroca, logo a seguir tiramos mais 5 ou 6 com milímetros, ou não, de diferença. E que tal dar uma escolha às fotografias? Impossível. O critério volta a ser o mesmo e andamos nisto de dia para dia.

Continue a ler “Mamã, a fotografa oficial”

Férias de Verão – parte III – Urgência no hospital

ferias III

Bem… Faz parte, não é?

Felizmente o Francisco é uma criança super saudável e até agora não apanhámos sustos com ele, nem tivemos de recorrer a médicos sem ser para as consultas de rotina. Mas há sempre uma primeira vez, e qual a melhor altura para se estrear nas urgências de um hospital se não no primeiro dia de férias.

Continue a ler “Férias de Verão – parte III – Urgência no hospital”

Férias de Verão – parte I – Fazer as malas

Ferias I

Listas, listas e mais listas. Porque é a primeira vez que fazemos umas férias a três e nada pode ficar em casa. Não sou, no entanto, daquelas que leva a casa às costas sem necessidade.

O destino deste ano é um apartamento em Porto de Mós, Lagos, Algarve. Então, para facilitar a vida a toda a gente, e porque não gosto de encher o carro até ao tutano, tudo o que pudermos comprar no Algarve vou evitar levar. Pelo que me dei conta existem por lá supermercados e por isso não há qualquer necessidade de ir com peso extra. Fraldas, toalhitas (levo comigo só o necessário para a viagem), iogurtes, resguardos, etc. são coisas que podemos perfeitamente comprar por lá. Por outro lado, não posso esquecer nada do essencial e pessoal (roupa, toalha, roupa de cama, higiene pessoal, etc., etc.).

Continue a ler “Férias de Verão – parte I – Fazer as malas”