Nós já temos a pulseira “Estou Aqui”!

Pulseira Estou Aqui

Como o programa é dos 2 aos 12 anos é a primeira vez que pedimos a pulseira para o Kiko mas, principalmente, em tempos de férias, pareceu-me boa ideia fazê-lo. Este ano vamos até ao Algarve e todos sabemos as confusões dos lugares de veraneio. Para além disso o pequeno já sabe andar e tem pilhas Duracell. É verdade que, felizmente, não dá confianças a estranhos nem dá mão a quem não conhece, mas todo o cuidado é pouco, principalmente quando ainda não falam duas palavras de jeito.

O processo é super simples e basta ir ao site https://estouaqui.mai.gov.pt e fazer o pedido da pulseira em 2 minutos. No processo do pedido escolhe-se uma esquadra da PSP para ir levantar a pulseira que fica pronta dentro de 3 dias úteis e assegurada para recolha 25 dias seguidos. 

Mas afinal como funciona a pulseira? A pulseira consiste numa fita acetinada (que deve ser muito muito bem presa, para além de nós sugeria fazerem “um pontinho” no final para que não se solte) com um código. Este código é inserido numa base de dados policial com os dados da criança. Este ano esta base de dados já é a nível europeu, assegurando o programa em qualquer país da Europa. Caso a criança se perca, qualquer força policial poderá aceder a esta base de dados e identificar a criança tal como ter acesso aos contactos de urgência dos seus responsáveis. Este registo e respectiva pulseira têm um prazo de 1 ano, pelo que é aconselhado as crianças utilizarem não só nas férias mas em visitas de estudo, quando vão com os pais ou conhecidos a um centro comercial etc.

E por falar em visitas de estudo, este site disponibiliza também a possibilidade das próprias escolas ou estabelecimentos de actividades (ATL, colónias de férias, etc.) pedirem pulseiras para grupos de crianças.

Parece-me que a maior falha, daquilo que me apercebi e me falaram é que, como este programa é assegurado pela PSP, é muito complicado para quem vive no interior fazer o levantamento na mesma devido à ausência de esquadras desta força policial.

Se acho que vale a pena? A meu ver, todos os cuidados são poucos e não será uma pulseira no pulso que vai estragar as férias, muito pelo contrário se, por algum infortúnio, tivermos algum azar. Por isso, sim, acho que devemos aproveitar este programa gratuito que ajuda a proteger as nossas crianças 🙂

Creme de Abóbora e Brócolos “To go”

Quem vai para o mar avia-se em terra, sempre ouvi dizer. Essencial para a nossa viagem de autocaravana era levar já uma sopinha feita. Apesar de todas as comodidades não dá para fazer sopas “a bordo”, nem é bem minha intenção ir fazer sopa durante as férias. por muito curtas que sejam. 

A solução mesmo foi fazer marmita. Fazer uma sopinha boa, dosear em caixas individuais e congelar. Um creme de abóbora e brócolos pareceu-me uma boa opção, e foi mesmo. Conforme ía fazendo as refeições ía retirando uma dose individual do minúsculo congelador e mantive as refeições habituais do mais pequeno. Não, nem nas férias se safa da sopa.

De qualquer modo, deixo-vos aqui mais uma receita de uma sopinha deliciosa. Ingredientes para o creme de abóbora e brócolos: 100g de batata, 1/2 cebola média, 150g de abóbora, 150g de brócolos, 300ml de água e um fio de azeite. Preparados todos estes ingredientes, se fizerem no robot de cozinha, basta juntar todos os ingredientes e cozinha-los por 11 minutos, a 100º e na velocidade 4, reservando apenas para o final o fio de azeite e acrescentar mais um minuto de cozedura à velocidade mais lenta. 

Se optarem pelo método mais tradicional, ou seja, panela e fogão, coloquem a água e depois os legumes. Se os legumes não ficarem cobertos pela água, acrescente mais um pouco. Deixe tudo cozer muito bem e triture com a varinha mágica. Acrescente o fio de azeite e volte a mexer em lume baixo até ficar homogéneo.

Deixem-me dar-vos mais uma dica. A maioria das pessoas não aproveita o talo (ou pé) dos brócolos, mas na verdade também é bastante nutritivo e pode ser perfeitamente aproveitado para a sopa. Se cortarem em lâminas muito finas, também é bom salteado.

Delícia de Alfarroba Com e Sem Açúcar

A ideia era fazer uma sobremesa para a família toda mas, como já devem ter percebido, tentamos evitar os açúcares, pelo menos para já. 

Eu acredito que uma criança privada de guloseimas vai mais tarde abusar delas tal é o desejo pelo fruto proibido, no entanto, não vejo mal nenhum em adiar a introdução aos açúcares. 

Bem, então lá andei eu nas minhas pesquisas para cá e para lá, juntei tudo na minha misturadora e fiz a minha própria delícia de alfarroba. E porque ninguém é de ferro, pelo menos cá em casa, esta receita vai resultar em duas sobremesas muito simples. 

A primeira é a delícia de alfarroba sem açúcar para toda a família. 
Para esta receita precisam de 150g tâmaras, 3 ovos, 3 colheres de sopa de azeite, 50g de farinha de alfarroba, 100g de farinha de trigo (pode ser integral), 1 colher de sopa de erva doce, 2 colheres de chá de fermento,  250ml de leite e 1 pitada de sal.

Descaroçar as tâmaras e, no robot de cozinha, tritura-las até obter uma massa homogénea, 1minuto na velocidade 4. De seguida juntar ovos, azeite, farinha de alfarroba, a erva doce e a pitada de sal (muito pouco mesmo) e bater por mais 2 minutos na velocidade 5. Depois junte a farinha de trigo e o fermento e misture por mais 2 minutos na mesma velocidade. No fim acrescente o leite e bata tudo durante 1 minuto mantendo a velocidade 5.
Tendo uma mistura homogénea, basta deitar a massa em forma previamente preparada e colocar no forno pré aquecido, com ventilação, cerca de 30 minutos a 180°.Não esqueçam que apesar de não ser muito doce, as quantidades dadas aos nossos pequenotes devem ser moderadas. 

A segunda é um derivado da primeira para pais gulosos. 
Basta pegar na primeira receita e quando a servir acrescentar por cima umas natas em Chantilly e umas fatias finas de de nectarina para dar uma frescura e doçura extra. 

Boas gulodices! 

Lanche para o bebé de Banana e Abacate

Aquela hora em que o almoço já lá vai e ainda falta tanto para o jantar….
Comer fruta é sempre uma óptima alternativa às papas para o lanche, sobretudo as instantâneas. E fazer misturas é sempre uma boa opção, desde que sejam ponderadas e, já agora, convém ser depois do bebé já conhecer os sabores e as texturas das frutas envolvidas individualmente.

Hoje fizemos uma mistura bastante simples. Meia banana e um quarto de abacate. Para bebés mais pequenos podem sempre passar as frutas pela varinha mágica para ficar uma papa mais homogénea. Para o Kiko, quando lhe dou papas de fruta, prefiro esmagar simplesmente com um garfo, para ficar grumoso mesmo e ele sentir mais textura.

Foi muito engraçado ver a reacção. O Kiko já conhece bem os alimentos e antes de comer seja o que for gosta de espreitar para dentro do prato ou da tijela. Quando é banana começa logo a dançar, e era mesmo banana que ele pensava que ía comer. Não estava muito longe da verdade mas não estava a contar com o abacate. Depois de um franzir de sobrolho e uma olhar de quem está a pensar “algo não está certo com esta banana….”, não demorou muito até a tijela estar vazia e até haver alguma reclamação por mais (guloso!). Sem dúvida, um lanchinho para repetir.

Gelatina para bebés

Que guloseima é esta? Ora é uma boa alternativa à frutinha como sobremesa, por exemplo.

Já há algum tempo que andava a pensar em sobremesas alternativas à fruta, fosse ela inteira ou em purés, mas que se mantivessem nutritivas. Não foi difícil excluir “milhentas” hipóteses recheadas de açúcar, até que cheguei à gelatina.

A primeira paragem foi mesmo a despensa onde tenho sempre uma gelatina para o que der e vier. Mas a tabela nutricional foi reveladora. Apesar de não ter tanto açúcar como a grande maioria das sobremesa, ele está lá. Daqui, a segunda paragem foi mesmo o supermercado. Vamos lá à caça de tabelas nutricionais sem açúcar ou com muito pouco… também não podemos ser extremistas e esperar milagres. Lembrem-se mães que, por mais saudável que um produto com fruta seja, nunca terá 0% de açúcares devido à frutose presente na própria fruta.

No meio da imensidão de produtos e ofertas, a primeira direcção (pareceu-me lógica) foi as gelatinas Light e 0% de açúcar. De facto muitas delas têm 0% de açúcar… mas contém aspartame. Já agora, o aspartame é um aditivo alimentar utilizado para substituir o açúcar comum e, para além de ser menos denso, tem maior poder para adoçar (cerca de 200 vezes mais doce que a sacarose). O aspartame também é encontrado sob o nome de edulcorante E 951. Não é, definitivamente, uma opção que tome em consideração. Pessoalmente prefiro o velhinho açúcar, mas isso já é escolha pessoal (tal como disse).

Andei a remoer e insistir no assunto mais uns quantos dias. Por vezes, sou mesmo de ideias fixas, verdade. Cheguei à conclusão que o melhor seria mesmo fazer em casa. Até parece que acabo sempre por bater na mesma tecla.

Na verdade não dá muito mais trabalho, nem ocupa muito mais tempo do que uma gelatina instantânea… já não vou comparar, como é óbvio, com as que vêm já feitas. Então como fiz? Simples, comprei gelatina neutra que contém 0.50g de açúcar versus os habituais cerca de 13g. Pode também optar pela saudável ágar-ágar. Depois espremi duas tangerinas deliciosas e docinhas (cerca de 100ml) e juntei a 2 folhas de gelatina dissolvidas em 150ml de água, mais 150ml de água fria (no total 300ml de água). A gelatina pode ficar mais ou menos “aguada”, depende do que pretendem. Sendo um citrino, eu preferi, desta vez, e sendo que o Francisco ainda só tem 15 meses, dissolver mais o sumo da tangerina.

Aproveitei ainda os boiões vazios da fruta para colocar as doses de gelatina, o que se torna prático também se quisermos levar para consumir fora de casa.

Espero que façam mais experiências do que eu e partilhem 🙂

Creme rico de espinafres

Se no início seguia receitas que via de sopas e papas, cedo comecei a alterar receitas e a inventar outras tantas. Não é defeito, é feitio. Sou incapaz de seguir uma receita à risca. Dava uma péssima pasteleira. 
Hoje temos creme rico de espinafres. Gostaram do nome? Achei que ficava pomposo. 

Regra geral faço as sopinhas consoante os frescos que tenho em casa disponíveis ou os mais biológicos que consigo encontrar na altura. 
O meu creme rico de espinafres leva 100g de batata (uma batata grande), 50g de cenoura, meia cebola pequena, 50g de espinafres (há lagartas que comem mais quantidade), 50g de lentilhas verdes, 250ml de água e um fio de azeite. 

Começou por cozer previamente as lentilhas enquanto preparo todos os outros ingredientes. Depois, junto todos os ingredientes, com excepção do azeite, no robot de cozinha e seleciono 11 minutos, a 100º no programa 3. Ao fim deste tempo junto o fio de azeite e cozo por mais 1 minuto. 

Delicioso!

Novas dicas para recém mamãs a caminho

Vou ser tia outra vez, estou tão contente 🙂 E sempre que há bebé novo a caminho, há bitaites que vêm à cabeça.

Apesar do Francisco já ter 15 mesinhos (passou tão rápido), ainda há dicas e truques do início da maternidade que estão bem frescos na cabeça. Por isso mesmo, e aproveitando este novo pequenote a caminho, decidi partilhar com todas algumas coisinhas que ficaram por falar no início da criação do blog.

Dicas nunca é demais para recém mamãs, não concordam? Não, não acontece só a vocês. Acontece a todas, por isso é bom partilhar. Vou mesmo aproveitar as questões que surgem agora a estes amigos. Se também vocês tiverem questões que gostariam de ver faladas aqui no blog, deixem comentário. Não é preciso puxarem os cabelos de desespero ou entrarem em pânico natural.

Agora aqui entre nós, neste momento ainda não se sabe se vou ser tia ou “tio” 🙂 , mas tenho cá um pressentimento que vai ser um lacinho cor-de-rosa.

Creme de coentros com batata doce

Desta vez a sopinha foi feita para toda a família e na panela. Não me perguntem porquê, mas para mim, creme de coentros faz-me lembrar o Alentejo e tem de ser feito na panela. É daquelas coisas que nem eu sei explicar porquê mas é como me faz sentido e sabe bem.

Já há algum tempo que não fazia creme de coentros e com um molhinho de coentros do frigorífico, nem vamos pensar duas vezes.

Como a ideia foi fazer este creme para toda a família, vamos lá esquecer pimenta e sal para temperar. E, desta vez, decidi inovar para poder utilizar as batatas doces que tinha na despensa. Normalmente utilizo batata normal. Devo dizer que não foi nada mal pensado porque o resultado final foi delicioso e mais cremoso que o costume.

Um molho generoso de coentros, 3 batatas doces granditas, 1 cebola, 3 dentes de alho e azeite qb. Estes são os ingredientes necessários.

A preparação também é super simples. Descasquem os alhos e a cebola e cortem em fatias grossas. Alourem ligeiramente no azeite, que deve cobrir quase por completo o fundo da panela. Depois juntem o molho de coentros, misturem com a cebola e o alho que ainda alouram e pouco depois juntem as batatas doces cortadas em fatias de, mais ou menos, 1 a 2 cm, para ser mais rápida a cozedura. Cubram tudo com água e tapem a panela. Deve levar cerca de 20 minutos até ficar pronta a cozedura. Por último passem a varinha mágica até ficar um creme homogéneo.

Para o vosso bebé a sopa está pronta a servir e deliciosa. Para os adultos, sugiro condimentar com sal refinado e pimenta a gosto, voltar a mexer e antes de servir salpicar com cebola frita ou croutons.

Espero que gostem desta sopinha. Cá em casa todos adoramos.

Papinha com canela

Muitas vezes surge a dúvida se os bebés podem consumir ou não canela. Na verdade depende um pouco da indicação de cada pediatra. No caso do Francisco, desde cedo foi indicado que podia consumir canela desde que em pouca quantidade e bem misturado com a fruta. Não só ele adora, principalmente com maçã, claro, como ajuda a diversificar as papinhas e nunca lhe fez mal. A minha sugestão, caso a mamã esteja desconfortável com o uso da canela em pó, é colocar na água com que vai fazer a papa um pauzinho de canela uns minutos antes. A água vai aromatizar com a canela e vai dar esse gostinho à papinha.

Fica aqui então a sugestão de Papinha de Maçã com canela:

1 ou 2 maçãs (mais ou menos 120g); 120ml de água; 1 pitada pequena de canela em pó (mais ou menos 1/3 de colher de café rasa) ou 1 pau de canela para aromatizar a água; 2 colheres de sopa rasas de farinha de milho. Na Chef Express (por exemplo), juntem tudo, 10 minutos, a 100º na velocidade 3.